História Regional da Infâmia

Fiz esse texto há 3 anos mas sempre fui meio receoso em publicar. Bom, enchi o saco de ver pessoas fazendo a manutenção de mentiras históricas… lá vai…

Imagem

Todo imaginário é real. Todo real é imaginário.

Sempre falo para meus alunos que a História não é uma ciência exata: aquilo que foi escrito por alguém há alguns anos atrás pode ser desconstruído futuramente por outro.

Mas existem assuntos que parecem intocáveis, que não podem ser mexidos, “Deus o livre” falar mal sobre este. O mais conhecido desses assuntos na História do Brasil é a Revolução Farroupilha, que durou de 1835 a 1845 no sul do país. Especialmente após a proclamação da República em 1889 e fortalecido com o Golpe Militar de 1964, o imaginário sobre este evento histórico se mantem, meio a fórceps, na mentalidade de muitos dos habitantes do RS.

Eu confesso que, quando mais jovem, antes de entrar para o curso de História (no primeiro ano do curso ainda mantive), fazia parte dessa “geleia ideológica” que envolvia esse assunto. Essa ideia do “orgulho gaúcho” e toda essa arrogância que muitos daqui possuem por terem nascido aqui e se acharem melhor que os outros por causa disso.

Mas eis que o tempo foi passando e fui tomando conhecimento de outros historiadores que começaram a desmistificar o que parecia “indesmitificável”, como Tau Golin, especialmente no seu “Manifesto contra o Tradicionalismo” (que pode ser encontrado na web facilmente) e em um livro didático intitulado “Nova História Crítica” (que por conter em um dos seus volumes críticas a Globo, foi execrado por um dos diretores desta, o nefasto Ali Kamel e foi escanteado na sutileza dos meios didáticos), especialmente quando dizia que Duque de Caxias só aceitou fazer acordo com os líderes do movimento por estes serem proprietários de terras e não negros pobres do Maranhão, como foi na Balaiada e que Caxias ordenou exterminar…

E eis que em 2010 o escritor e colunista do jornal Correio do Povo, Juremir Machado da Silva, após seis anos de pesquisa e consulta a 15 mil documentos lança o bombástico “História Regional da Infâmia: o destino dos negros farrapos e outras iniquidades brasileiras (ou como se produzem os imaginários)”.

Seria lógico que nos grandes meios de comunicação, especialmente nos ligados ao Grupo RBS, não mereceu uma linha sequer este assunto, afinal, quem mais coloca em evidência o assunto todo mês de setembro são eles. A consequência foi que muitos (inclusive eu) não ficaram sabendo da existência do livro, somente assistiu a um documentário na TVE sobre os negros de batalha de Porongos, onde o escritor dava seu ponto de vista e um historiador ligado ao MTG dava uma visão bem diferente sobre o assunto. Aliás, era visível o desconforto e a fúria deste último ao saber da opinião do Juremir Machado.

Bom, falando sobre o livro, eu havia lido as 30 páginas iniciais em um site. Mas a leitura dele é tão motivadora, tão fácil de compreender que acabei comprando a versão digital numa quarta-feira e na terça-feira seguinte terminei de ler. Pra resumi-lo um pouco pra vocês, ele desmistifica toda a Revolução Farroupilha, desde suas causas até sobre aqueles que o movimento endeusou ou condenou ao ostracismo. Além disso, compara o que outros pesquisadores escreveram sobre o assunto e as contradições que estes se colocavam ao argumentar, especialmente os defensores da Farroupilha.

No final, o autor cita outros fatos históricos brasileiros que mereceram uma parte muito elucidativa, como a Guerra do Paraguai, a Revolução Federalista de 1893-95 (que também ocorreu no RS e matou quase o triplo de gente que a Farroupilha, mas que é muito pouco divulgada nos livros didáticos), a Guerra de Canudos e a Revolta da Chibata.

Acredito que muitos que lerem este livro certamente irão odiá-lo e os motivos nem preciso dizer por quê…

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas e textos pessoais, Estudos, Informação, Livros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s